Quarta-feira, 27 de março de 2019.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Jango caiu com apoio popular. Dilma, Dilma...

publicada em 23 de outubro de 2012
Jango caiu com apoio popular.
Dilma, Dilma …
A Santa Aliança regressista de Globo, MP e Supremo tem como finalidade derrubar qualquer Governo trabalhista. No Brasil e na Venezuela, onde há mais liberdade de expresão que aqui.

 

Informação enviada por Stanley Burburinho, o implacável( quem será ele ?):

Nótícia publicada pela Folha de São Paulo em 09 de março de 2003:

“09/03/2003 – 03h34

 

PAULO REDA – Free-lance para a Folha de S.Paulo, em Campinas

Duas pesquisas feitas pelo Ibope às vésperas do movimento militar de 31 de março de 1964, e nunca divulgadas, mostram que o presidente João Goulart contava com amplo apoio popular ao ser deposto, apesar da polarização ideológica que o país enfrentava.

Uma das pesquisas, feita pelo Ibope em três cidades paulistas, apontava que 15% dos ouvidos consideravam o governo Jango ótimo, 30% bom e 24% regular. Para 16%, a administração Goulart era má ou péssima.

A outra pesquisa do acervo do Ibope, que entrevistou eleitores de oito capitais entre os dias 9 e 26 de março de 64, mostra que 49,8% dos pesquisados admitiam votar em Jango caso ele pudesse se candidatar à reeleição, contra 41,8% que rejeitavam a possibilidade.

Esses e outros levantamentos inéditos estão sendo catalogadas no Arquivo Edgard Leuenroth, da Unicamp. A pesquisa que trata especificamente da popularidade de Jango às vésperas do movimento militar foi realizada entre os dias 20 e 30 de março de 1964 e ouviu 950 moradores das cidades de São Paulo, Araraquara e Avaí. Foi feita a pedido da Federação do Comércio do Estado de São Paulo.

A diretora do Ibope Opinião, Márcia Cavallari, afirmou que os critérios aplicados nesses levantamentos da década de 60 são semelhantes à metodologia das pesquisas recentes do instituto e são perfeitamente confiáveis.

Cientistas políticos e historiadores ouvidos pela Folha de S.Paulo afirmaram que os dados são muito relevantes para discutir as circunstâncias que levaram ao movimento militar de 64. Segundo a professora do Departamento de História da USP Zilda Iokoi, a popularidade de Jango foi um dos aspectos decisivos para a sua deposição . “Como vivíamos um momento de grande polarização ideológica, as forças reacionárias se sentiram ameaçadas”, afirmou.

Para a professora do Centro de Pesquisa e Documentação da Fundação Getúlio Vargas Maria Celina D’Araújo, as pesquisas do acervo do Ibope são de extrema importância para a compreensão dos motivos que levaram ao movimento militar: “Reforça-se a tese de que o golpe de 64 foi um movimento anticomunista e não contra o governo de Goulart”.

Outra pesquisa feita pelo Ibope no período revela que 59% dos ouvidos eram a favor das medidas anunciadas por Jango no histórico comício da Central do Brasil, no Rio, no dia 13 de março de 64. As propostas incluíam a desapropriação de terras às margens de rodovias e ferrovias e o encampamento das refinarias estrangeiras.

O ex-senador Jarbas Passarinho, que na época era chefe do Estado-Maior do Comando Militar da Amazônia, afirmou que não conhecia os dados, mas que não estranha o fato de Jango ser popular às vésperas do 31 de março. “Desde a década de 50, quando ocupou o Ministério do Trabalho, Jango adotou uma série de medidas populistas, que garantiram a sua boa imagem, principalmente junto às classes mais pobres.”
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Conversa Afiada

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

6 Comentários

11/12/2012 às 11:37
Wilson escreveu:
Na verdade, nunca se pensa nisso. Sempre achamos que a democracia é uma garantia o que nem sempre é verdade. Ainda somos tutelados pelo império que mostra suas garras quando sente ameaçados seus interesses.
03/11/2012 às 23:06
Ewerardo Tabatinga escreveu:
Jango, herdeiro político de Vargas, era muito querido pelo povo. Naquele momento conturbado Brizola defendia que Jango convocasse o povo para defender a República, então ameçada pelos golpistas. Mas, Jango, cauteloso, não topou. Talvez, para poupar-nos de uma provável guerra civil. Foi pior!.
03/11/2012 às 18:53
Antonio Dimitri escreveu:
Prova inconteste de que o governo e o povo brasileiro tem que estar de olhos atentos,para com estas manipulações decorrentes entre MP,MÍDIA E STF...Não dispõe de votos,mas tem um verdadeiro arsenal em prol de um golpe. Enquadra estes golpistas Dilma,enquanto há tempo.
03/11/2012 às 14:28
GABRIEL DINIZ escreveu:
SE ISSO ACONTECER VAI CORRER MUITO SANGUE, AGORA NÃO LEVA DE GRAÇA NÃO.
03/11/2012 às 14:09
Carlos escreveu:
Isso quer dizer que o povo era para começar a melhorar de vida ja naquela epoca e hoje talvez seriamos muito mais felizes.Mas tubo bem com este governo as coisa estão entrando no eixo e mesmo eles novamente querendo aplicar o mesmo golpe hoje os tempos são outros e o povo não há de cair.
03/11/2012 às 13:47
Olivier Kienast Filho escreveu:
é claro que João Goulart tinha apoio da massa, é muito evidente pelo discurso feito por João Goulart,a reforma agrária era a pauta de governo, é claro com a reforma agrária, o Brasil sai da clandestinidade, tudo isso era o que não queria o latifúndio internacional.ver hoje índios guaranis-kaioias

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422