Sábado, 19 de outubro de 2019.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Justiça mantém decisão que reconhece coronel Ustra como torturador

publicada em 07 de outubro de 2019
Brasil
Justiça mantém decisão que reconhece coronel Ustra como torturador
Decisão inédita responsabiliza civilmente o ex-comandante do Doi-Codi
Por Tatiana Santiago






O Tribunal de Justiça de São Paulo negou nesta terça-feira, por unanimidade, recurso do coronel da reserva Carlos Alberto Brilhante Ustra, que tentava derrubar a sentença em que foi reconhecido como torturador no regime militar. Cabe recurso à decisão em instâncias superiores.

É a primeira vez na história do país que um torturador é condenado civilmente e que uma ação de responsabilidade civil é julgada contra um torturador. Segundo a decisão do TJ, Ustra foi reconhecido como responsável pelas torturas contra a família Teles enquanto comandou o Destacamento de Operações de Informações-Centro de Operações de Defesa Interna (Doi-Codi).

Leia também:


Ustra terá de indenizar família de morto pela ditadura

No processo, não foi pedido nenhum tipo de indenização ou punição para o ex-militar, somente o reconhecimento civil pelas torturas.

Por 3 votos a zero, os desembargadores Rui Cascaldi (relator do processo), Carlos Augusto de Santi Ribeiro (revisor) e Hamilton Elliot Akel negaram recurso impetrado pelo advogado Paulo Esteves, defensor do coronel, na ação movida pela família Teles. Os desembargadores da 1º Câmara do Direito Privado mantiveram a sentença em 1º instância do juiz Gustavo Santini Teodoro, de 2008. Ustra e Esteves não compareceram ao julgamento do recurso.

Para o desembargador Rui Cascaldi, “a tortura praticada no cárcere fere a dignidade humana”. Segundo ele ressaltou, a própria lei de anistia reconhece que houve crime e concedeu anistia.

Em entrevista após a decisão do tribunal, Maria Amélia de Almeida Teles, uma das vítimas do regime militar e autora da ação, afirmou que “a Justiça brasileira cresceu na compreensão que é intolerável, incompreensível e que a sociedade não pode conviver com a total impunidade com os crimes cometidos na ditadura”.

De acordo com o advogado Fábio Comparato, defensor da família, a decisão vai ajudar o Brasil a conseguir um lugar no Conselho de Segurança da ONU. “É um primeiro passo do sentido de limpar a imagem do plano internacional”, afirmou.

Caso – O coronel Brilhante Ustra comandou o Doi-Codi em São Paulo entre 29 de setembro de 1970 e 23 de janeiro de 1974. No período ocorrerm 502 casos de tortura e 40 mortes de presos políticos nos porões do local.

Em 1972 Maria Amélia Teles, o marido, Cesar Teles e a irmã Crimeia foram presos e torturados no Doi-Codi. Os filhos do casal também ficaram em poder dos militares.

Recurso – O advogado Paulo Esteves, defensor de Ustra, disse que vai recorrer da decisão do Tribunal de Justiça. Segundo ele, os desembargadores não apreciaram a defesa do coronel pela Comissão da Verdade.

“Nós tínhamos alegado que existe uma lei especial criada para decidir sobre o fato e que ela sobressai à lei ordinária, revogando a anterior”, justificou. Ele ressalta que após o fim do regime militar foram criadas três leis especiais para garantir a democracia.
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
VEJA

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422