Sexta-feira, 06 de dezembro de 2019.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

Se não tem golpe, então tem impeachment?

publicada em 07 de agosto de 2019
Se não tem golpe, então tem impeachment?
Cleber Lourenço: “Se as coisas permanecerem neste rumo, entraremos em 2020 da seguinte maneira: ou Mourão já estará com a faixa ou o processo de impeachment estará se iniciando”





Foto: Marcos Corrêa/PR
Por Cleber Lourenço

Gente na rua, manifestação, defesa do presidente Jair Bolsonaro e o infame verde e amarelo da CBF novamente nas ruas. A sanha de quem não se conforma com uma República sem golpes neste milênio segue.

Com o governo de extrema direita mais uma vez em crise pelas próprias mãos, ou melhor, línguas, não demorará para que manifestações em defesa da insensatez tomem as ruas.


Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

Do lado de lá (cuja conexão com a realidade já foi perdida faz tempo), eles se sentem vitoriosos, assim como Holyfield quando venceu Mike Tyson. Porém, aqui do lado da realidade e dos fatos, nós sabemos que não é assim.

Nas redes sociais e em meu blog eu já havia dado o diagnóstico: Bolsonaro fala absurdos e se comporta de forma acintosa, pois já partiu para uma lógica de tudo ou nada, vai queimar todo o combustível que lhe resta em uma cruzada para ser o “Duce” do país.

Se Bolsonaro ganhar a aposta de seguir por este caminho, o país se tornará, de fato, ingovernável, com cada poder fazendo o que bem entender, desde que fiquem em total submissão ao Palácio do Planalto.


A forma como Moro age com desfaçatez ao divulgar informações de um inquérito sigiloso da PF e ordenando a destruição de provas mostram o caminho que estamos trilhando. O próprio MPF, com a Operação Lava Jato, que se tornou um verdadeiro partido sem legenda, também mostra que as instituições já entram aos poucos neste clima.

Veja também: Carta aberta à militância do Partido dos Trabalhadores e das Trabalhadoras
O presidente do STF, que já afirmou preferir chamar o golpe de 64 de “movimento”, sinaliza a mesma tendência com suas aproximações com o governo e, inclusive, intercedendo em favor do filho do presidente no caso Queiroz e os laranjais.

Toffoli provou que ele mesmo poderia ser o soldado e o cabo que Eduardo Bolsonaro dizia serem necessários para fechar o STF.

É aí que mora o perigo. As manifestações anteriores foram apenas a largada de uma nova campanha que, na verdade, sempre foi o real objetivo do bolsonarismo: a cruzada pelo poder total.


O diálogo e o método são cartas que não voltarão para a mesa, não enquanto Jair e sua família estiverem no Planalto. Tentarão a todo custo aprovar medidas e projetos com murro na mesa, gritaria e linchamentos em praça pública, tentarão até conseguir e, caso consigam apenas uma vez, pode ter certeza que então não haverá o que os impeça.

Por isso é fundamental que as instituições estejam fortes e sólidas, para resistirem a intentona direitista pelos poderes.

Apesar de ser o início de uma campanha, havia, sim, uma expectativa entre os bolsonaristas de que o último ato, em 26 de maio, fosse a verdadeira marcha sobre Roma. Falhou miseravelmente. Há como elencar os motivos….


PRIMEIRO! A intentona direitista não era consenso entre a extrema direita brasileira e nem mesmo na direita. Inclusive, causou rachas e cizânias entre seus quadros: Carla Zambelli brigando com Joice Hasselmann, Alexandre Frota se estranhando com Major Olímpio e ainda o desembarque dos grupos Movimento Brasil Livre e #VemPraRua do front das manifestações, tudo enquanto Janaína Paschoal descia o porrete sobre essas manifestações. Então, o primeiro ponto está dado, não houve união da base. Na verdade, o que houve foi mais divisão.


SEGUNDO! Bolsonaro se acovardou no último segundo. Sabia que não poderia garantir o “verniz” legalista das manifestações e caso comparecesse poderia jogar a pá de cal que faltava em seu combalido governo. Se Bolsonaro comparecesse em uma manifestação que não tivesse o estrondoso sucesso e adesão das manifestações pelo impeachment, acabaria exposto. Logo, nem ele acreditava na sua própria articulação.

O que mostra que o presidente tem noção da queda livre em que sua popularidade se encontra. O mesmo receio veio de empresários do grupo Brasil 200, que decidiram apoiar apenas no último segundo, depois de um enorme esforço de articulações para não deixar o golpe evidente. Enfim, Bolsonaro não se prestou ao papel de João Goulart em um comício pelas reformas de base. Até porque sabemos o que aconteceu com Jango. E olha que este sequer queria dar um golpe.


TERCEIRO! Robôs de Twitter não são feitos de carne e osso, e se tem uma coisa que estas manifestações conseguiram mostrar foi a escandalosa diferença entre o que está nas redes sociais e o que realmente existe. Se as manifestações tivessem de fato transmitido a adesão que observamos na rede, pode ter certeza que: Bolsonaro teria ido ao ato do Rio e Eduardo em São Paulo.

É claro, com o mar de incertezas que se tornou a política nacional, não poderíamos declarar que Bolsonaro perdeu (naquela ocasião) o jogo político.


Mas deixo registrado aqui: se as coisas permanecerem neste rumo, entraremos em 2020 da seguinte maneira: ou Mourão já estará com a faixa ou o processo de impeachment estará se iniciando.

Finalizo este texto com uma imagem que representa o espírito não só deste governo como o da sua base: Oscar Maroni, dono de um dos mais famosos prostíbulos do país, em cima do caminhão de som do “Brasil Conservador”.

Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
FORUM

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422