Sábado, 21 de outubro de 2017.
Notícias ››   Imprensa on-line ››  

O Brasil que a direita quer

publicada em 15 de junho de 2017
O Brasil que a direita quer

Um país à deriva, com o retorno de um brutal processo de concentração de renda, de exclusão social, de recessão e de desemprego. Foi para isso que a direita batalhou tanto para voltar ao poder?


por Emir Sader publicado


VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL




Direita feriu profundamente para instalar governo corrupto, que mal governa o país, após tantas denúncias
Então foi para isso que a direita feriu profundamente a democracia e a vontade popular? Para instalar esse governo corrupto, que apenas tenta sobreviver e já nem governa o Brasil? Para transformar o país numa repúublica bananeira? Para que o país volte a ser o mais desigual do continente mais desigual? Para que o Brasil volte ao Mapa da Fome e ao FMI?

A direita estava acostumada a ganhar, pela força – como no golpe de 1964 –, ou pelo apelo ao poder do dinheiro e do mercado – como foi nas eleições de 1990 a 2002. Foi derrotada quatro vezes seguidas, mas nunca abandonou seu objetivo de tirar o PT do governo. Tentou quatro vezes pela via eleitoral e perdeu. Aí apelou para o atalho do golpe, que deu no pântano atual.

Antigamente a direita pretendia encarnar a democracia (liberal) no Brasil, contra o getulismo, que promovia a justiça social mas às expensas dos direitos democráticos, segundo a oligarquia paulista, que chefiava a direita brasileira. Na democratização de 1945 passou a ser derrotada pelo getulismo.

A partir daquele momento a direita, se assumindo elitista e abandonando a própria democracia liberal, passou a defender o voto qualitativo. Como um engenheiro ou um médico poderia ter um voto com igual valor ao de um “marmiteiro” (expressão pejorativa que usavam contra os trabalhadores)? Chegavam a classificar quanto deveria valer o voto de cada um, de um a dez.

Era produto do desespero de se dar conta de que a maioria da população – composta de trabalhadores pobres – estava contra ela, a favor das políticas sociais de Getúlio Vargas. Faziam acompanhar esse argumento com o de que, medidas como o salário mínimo – que Getúlio anunciava o novo valor todo Primeiro de Maio, (dia do trabalhador) em ato no Estádio do Pacaembu, em São Paulo – era uma forma de comprar a consciência e o apoio dos pobres.

Depois da eleição e da frustração com Jânio Quadros, além da derrota da tentativa de golpe em 1961, e de tentar limitar o poder do seu sucessor legal, João Goulart, mediante o parlamentarismo, a direita partiu diretamente para o golpe militar. Impôs o regime mais brutal e cruel que o país já conheceu, para promover a festa da acumulação de capital e da superexploração dos trabalhadores por meio do arrocho salarial.

No retorno à democracia, a direita impediu o povo de votar diretamente pelo primeiro presidente civil do país após a ditadura. Pela via indireta, elegeu-se Tancredo Neves, que morreu sem ocupar o cargo e o país foi governado pelo direitista José Sarney. Com os neoliberais que o sucederam, Collor e FHC, a direita impôs o poder do mercado e, através dele, do sistema financeiro, que desde então passou a deter o poder econômico no país.

Como efeito dos resultados nefastos dessa política para a grande maioria da população, Lula triunfou em 2002, pregando que o problema central do Brasil era a pobreza, colocando em prática o mais amplo programa de redução da desigualdade e de inclusão social. Foi esse programa de governo que levou à sucessão de quatro derrotas sucessivas da direita.

Diante da última dela, em 2014, e da perspectiva de que o candidato seguinte da continuidade desse programa fosse Lula, a direita buscou o atalho do golpe. Forjou suas condições com o apoio da grande mídia monopolista privada, do grande empresariado, para impedir que a Dilma cumprisse o segundo mandato que o povo lhe outorgou democraticamente.

Agora se vê que o atalho conduziu ao pântano em que o Brasil se vê mergulhado. Um Estado de Direito desfeito, uma democracia destruída, um governo que nem consegue governar, apenas sobrevive por algum tempo, um Congresso desmoralizado, um Judiciário que desmoralizou a palavra justiça que deveria encarnar, uma mídia desconcertada, que se divide entre tirar Temer sem conseguir construir alternativa ou ficar com ele baleado de morte.

Em suma, um país à deriva, com o retorno de um brutal processo de concentração de renda, de exclusão social, de recessão e de desemprego, com a liquidação do patrimônio publico da Petrobras, com a imagem mais desmoralizada que o país já teve no mundo. Foi para isso que a direita batalhou tanto, usando todos os metidos ilegais, para voltar ao poder?
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
RBA

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

Comentários

Nenhum comentário ainda foi registrado.
Seja o primeiro a comentar! Clique aqui ››

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422