Sábado, 15 de dezembro de 2018.

Lembranças de 64. Artigo de Maria Thereza Goulart

publicada em 25 de março de 2014
Lembranças de 64
*Maria Thereza Goulart



Jango e Maria Thereza Goulart, na casa "El Ventisco", Punta del Este , verão de 1965 no exílio. Foto de acervo IPG.
 
 
O que o Golpe mudou em minha vida?
 
 
È muito difícil ter as respostas certas para essa pergunta.
Até hoje, 50 anos depois eu me questiono para conseguir entender o porquê daqueles momentos tão assustadores que de repente mudaram o rumo de nossas vidas, de nossa pátria e de nosso povo.
As mudanças foram infinitas.
Perdi pessoas que eu amava sem poder dizer adeus.
 Perdi amigos, perdi meu lar e perdi minha pátria.
Fiquei sem meus sonhos vivendo uma realidade de incertezas e desafetos.
Tive medo sim e pensei que aqueles momentos eram de uma perseguição coletiva que acabaria envolvendo nosso futuro.
Esse medo tornou-se um grande inimigo capaz de me confundir entre o ódio e o perdão.
Eram muitas perguntas sem respostas, que me faziam pensar algumas vezes que nós éramos os responsáveis por todos aqueles acontecimentos.
O tempo foi passando e os desafios foram diários.
Esquecer não foi fácil e eu aprendi muito com o sofrimento.
Aconteceram novas mudanças, meus filhos cresceram, voltamos para a nossa pátria, para uma nova vida e novos amigos em um tempo de esperança.
Nossas vidas, no entanto ficaram com um grande espaço vazio sem a presença de nosso melhor amigo, pai e companheiro.
Hoje sinto meu coração comprometido com o passado e em vários momentos de melancolia, olho para o céu azul, e me encontro de volta para o Uruguai mudando os rumos de meus pensamentos neste tempo de espera para outros caminhos.
Sei que minha vida mudou, continuo meu destino, até quando não sei.
 
*Maria Thereza Goulart.
È viúva de Jango e presidente de Honra do Instituto João Goulart.
Versão para impressão Envie para um amigo Deixe seu comentário
Instituto João Goulart

Envie esta notícia para seus amigos

Seu nome:
Seu e-mail:
Enviar para:
envie para vários e-mails separando-os com vírgula

Deixe seu comentário sobre esta notícia

Seu nome:
Seu e-mail:
Escreva seu comentário:
0 caracteres utilizados. Máximo 100 caracteres.

Digite o código contido na imagem ao lado:
Caso não consiga ler o texto da imagem, clique aqui.

14 Comentários

04/04/2014 às 11:21
Márcia Gleise B. Goulart escreveu:
Compartilho da mesma tristeza e pensar que a deposição de Jango impediu que executasse seu maravilhoso plano de governo. Era um homem bom, "com o coração maior que o corpo", ouvi isso de um senhor que trabalhou para ele, acima de tudo era extremamente responsável, saiu de cena evitando o pior.
03/04/2014 às 21:38
Fábio Roberto Gullo escreveu:
D. Maria Thereza, seu marido foi um grande homem, um grande patriota e um brasileiro ímpar! Homens como o Doutor João Goulart fazem falta à política brasileira!!!
29/03/2014 às 21:36
Fabrício Santos escreveu:
Que Deus abençoe a Primeira-dama Maria Thereza e todo o clã Goulart. Tenho 24 anos e sonho ver os Goulart de novo no Palácio do Planalto !
28/03/2014 às 08:15
Sandra Mara escreveu:
Depoimento emocionante. Um fato. Um ato. E uma mudança tão profunda na existência de tantos... Emocionante...
27/03/2014 às 19:43
Luís Henrique escreveu:
Compartilho sua dor Srª Maria Tereza Goulart. A imagem do nosso presidente está para sempre no meu coração. Conto a história dele para o meu filho, digo que foi um bom homem. E de onde ele estiver, estará olhando para os mais humildes. Um homem como ele nunca morrerá. Fique em paz.
27/03/2014 às 17:35
Ernesto escreveu:
Todos estamos nesse caminho em direção a morte chamado vida.O que faz toda a diferença são as sementes que tentamos plantar.A semente melhor,nem sempre é boa,mas bondade e justiça ,ao longo desse caminho,são testemunhas insubornáveis de que fizemos a nossa parte,nosso destino .
27/03/2014 às 15:21
Malu Alves Ferreira escreveu:
lindo texto de Maria Teresa
26/03/2014 às 19:58
Mara Rosa escreveu:
Belíssimo depoimento , emocionante, mulher de grande valor,postura inequívoca !
26/03/2014 às 16:29
Sergio Domingos Vieira escreveu:
Dona Maria Tereza, entendo o seu desencanto com tudo o que aconteceu. Imagino o seu sofrimento e de seus filhos com aquela situação que o Brasil se viu mergulhado em 1964. Um golpe que infelicitou o Brasil. Lamentavelmente, não conheço nenhuma rua ou avenida com o nome de Presidente João Goulart.
26/03/2014 às 11:33
Helenita Rossetti escreveu:
Saudades dos tempos que o João Goulart foi presidente. Admiro muito a fibra a coragem para a dama Maria Tereza , passar por todo este horror... Nadir Rossetti me falava muito de tudo isso la no exilio. Eles eram amigos !!! Deus abençoe e proteja esta pessoa maravilhosa !!!Abraços
26/03/2014 às 00:55
Thomas Hofer escreveu:
Although I am not fluent in Brazilian Portuguese, I was able to decipher what I was reading. Maria Tereza Goulart is giving a very touching assessment of what the coup of 1964 did to her. And I admire and respect her for the way she is taking it all. I am sure she will find the strength to go on.
25/03/2014 às 23:28
JOSÉ DE ANCHIETA N.ALMEIDA escreveu:
A maior tragédia da deposição de Goulart, foi a oportunidade perdida de termos as Reformas de Base implantadas, que teriam mudado a história deste país.Tal tragédia nos prejudica até hoje, pelas ausências de tais reformas (saúde, educação, política,etc.) que teremos de fazer com atraso de décadas.
25/03/2014 às 23:00
JOSÉ DE ANCHIETA N.ALMEIDA escreveu:
Como advogado e historiador que sou hoje,lamento a deposição do presidente João Goulart,vítima de um projeto alienígena dos tempos da Guerra Fria,impedindo as reformas estruturais que o pais necessitava e que atrasou décadas o nosso desenvolvimento sustentado, que até hoje em 2014, sofremos por isso
25/03/2014 às 22:40
Tahia Sarapo escreveu:
Exma Sra Naquele tempo havia entre as meninas brasileiras uma competição vaidosa. Achávamos que a Sra era muito mais bonita que Jacqueline Kennedy. Bobagem,não é? Mas ,além da capacidade de seu marido tínhamos orgulho de tê-los como dirigentes do Brasil.Meu carinho eterno para essa familia . Tahia

Contato

Telefone
(61) 35418388
(61) 93094422